English French German Italian

 

 

           

O MILÊNIO

 

 

Os estudos a respeito do Milênio surgiram logo após a inclusão dessa promessa na revelação dada pelo Eterno a João em Patmos. João descreve que, após a derrota do anticristo e do falso profeta, por ocasião da segunda vinda de Jesus, Satanás será preso e amarrado por mil anos (Apocalipse 19:11-21 e Apocalipse 20:1-2). Baseados nesses relatos apocalípticos e nas promessas inseridas no Novo Testamento a respeito do Reino do Pai, tres posições tem surgido durante a história, cada qual com a sua visão diferente no que concerne à interpretação desse período: amilenismo, pós-milenismo e pré-milenismo.

                    

A-MILENISMO  

 

Esse modelo de interpretação afirma que o período denominado "Milênio" é uma figura alegórica da atuação da Igreja desde a morte e ressurreição de Cristo e não um período literal de mil anos cronológicos.

 

Por considerar o Milênio apenas uma figura retórica, consequentemente, o reino milenal de Jesus também é explicado como sendo a presença da Igreja na Terra e a sua atuação constante de pregação das boas novas e conquista espiritual.

 

PÓS-MILENISMO  

 

Esse modelo de interpretação escatológica sustenta que a volta gloriosa de Jesus ocorrerá após um período de mil anos de paz. Ou seja, de acordo com essa linha de interpretação, o Milênio não será uma conseqüência direta da volta de Jesus em glória e sim da atuação da Igreja e seu impacto evangelístico sobre o planeta, deixando-o apto para a vinda gloriosa de Cristo.

 

PRÉ-MILENISMO  

 

O modelo pré-milenista defende a necessidade da volta de Jesus ocorrer antes do Milênio, para que o cumprimento de todas as promessas para esse período (paz, segurança, justiça, restauração de Israel e reinado da Igreja) se cumpram literalmente sobre a face da Terra, num reino visível, concreto e real. De acordo com o pré-milenismo, o Milênio será uma conseqüência direta da volta gloriosa de Jesus, para derrotar o sistema maligno do anticristo. De acordo com este modelo, logo após o Milênio, ocorrerá o juízo final e a criação dos novos céus e da nova Terra. 

   

Dentro desses três principais modelos de interpretação para o Milênio, existem também algumas subdivisões, com pequenas diferenças a respeito de temas específicos.

 

A seguir, daremos algumas razões para explicar porquê adotamos o modelo pré-milenista como forma de entender o que realmente é MILÊNIO e porque ele é, de acordo com o que cremos, o que mais se encaixa no contexto das profecias para os últimos tempos, ao mesmo tempo em que abordamos alguns argumentos amilenistas e pós-milenistas, mostrando sua posição à luz do contexto profético. Para acessar mais informações sobre o MILÊNIO, acesse a página SEGUNDA VINDA DE JESUS. 

 

              UM REINO EXCLUSIVO  

 

Em João 5:19, o apóstolo nos revela que o mundo jaz inteiramente no maligno. Por outro lado, o apóstolo Paulo descreve Satanás como "deus deste século", cegando o entendimento espiritual de muitos (II Coríntios 4:4). O clímax dessa atuação satânica será experimentado durante a tribulação, tornando incongruente a afirmação de que já estaríamos vivendo o que a Bíblia denomina como Milênio e errôneo todo esforço no sentido de viver de acordo com os estereótipos de vida bem-sucedida que o sistema oferece. O Altíssimo nos ensina a não amar o mundo (sistema) nem o que nele há (I João 2:15), e a não conformar-nos com o sistema (Romanos 12:2). Nossa esperança deve ser o encontro com Jesus e sua volta gloriosa (Tito 2:13).

 

A Bíblia nos revela que, por ocasião da volta gloriosa de Jesus, o anticristo e seus exércitos serão derrotados (II Tessalonicenses 2:8 e Apocalipse 19:11-21). Se o sistema maligno, no qual o mundo jaz atualmente, será derrotado por Jesus em sua segunda vinda, então a concretização do reino do Pai na Terra só se tornará um fato real após esses eventos (vinda em glória e derrota do anticristo e sistema), colocando o Milênio como uma conseqüência direta desses eventos.  O sistema maligno será derrotado definitivamente para que o Reino do Senhor seja instaurado (I Coríntios 15:25).   

 

Nesse aspecto, é interessante notar que, quando Jesus se referiu ao "fim do mundo" na parábola do joio e do trigo (Mateus 13:39), e quando mencionou o "mundo vindouro", em seu diálogo com os saduceus (Lucas 20:35), é utilizado para "mundo" o termo grego  "aeon", o qual significa sistema ou era. Tal termo não se aplica ao planeta Terra.   

 

               UM REINO LITERAL 

 

São muitas as passagens bíblicas que nos remetem a um reino literal de paz e comunhão sobre a Terra (Isaias 1:25-31, Isaias 2:1-22, Jeremias 23:5-8, Miquéias 4:1-4, Ezequiel 34:11-24, Zacarias 14:1-21, João 3:5, Apocalipse 12:10, entre outras). Não nos parece apropriado alegorizar essas descrições, aplicando-as ao presente, que é violento e no qual a iniquidade se multiplica (Mateus 24:12).

 

É obvio que existe o reino espiritual e eterno do Pai, do qual somos embaixadores (II Coríntios 5:19-20). Também é certo que, a partir do nascimento de Jesus e a delegação deixada à Igreja de anunciar as boas novas, o reino de Deus, do ponto de vista espiritual e profético, já existe na Terra, porém isso não nega a concretização física desse reino.

 

Quando Paulo nos mostra em I Coríntios 15:50 que, nem carne nem sangue herdarão o reino dos céus, não está excluindo desse reino aqueles que não receberão corpos glorificados. Está apenas revelando que a Igreja receberá o reino como herdeira e co-herdeira com Jesus (Tiago 2:5, Mateus 5:10, Daniel 7:22), até porque o reino terá como sede Jerusalém (Zacarias 14:16-17), a nação israelense continuará existindo fisicamente (sem corpos glorificados) e muitas nações continuarão existindo, sob o governo do Mestre, mesmo algumas daquelas que subirão contra Jerusalém no Armagedom (Zacarias 14:16, Ezequiel 36:33-36). Não devemos confundir esse cenário do final da tribulação (anticristo e exércitos) com o cenário pós-milenal (Gog e exércitos), como o fazem os pós-milenistas, pois na rebelião de Gog e Magogue no final do milênio, todos os que marcharem contra Jerusalem serão eternamente condenados (Apocalipse 20: 7-15).

 

A Bíblia deixa claro que Jesus será o Rei dos judeus e se assentará literalmente no trono de Israel (Lucas 1:32-33), cumprindo literalmente a promessa feita a Davi (Salmos 89:3-4).

 

                O JUÍZO PRÉ-MILENAL 

 

Uma passagem que tem originado muita discussão encontra-se em Mateus 25:31-46, na qual, aparentemente, o juízo final ocorre por ocasião da volta de Jesus em glória, sustentando assim a argumentação dos modelos amilenista e até mesmo o pós-milenista, pois o Apocalipse revela que o juízo final ocorre após o milênio.

 

Porém, analisando detalhadamente e comparando o juízo de Mateus 25:31-46 e as passagens que descrevem o juízo final, vemos diferenças substanciais. O primeiro juízo, que ocorre imediatamente após a volta de Jesus é um juízo dirigido às nações, ou seja, às pessoas que estiverem vivas no momento da volta de Cristo e que não fazem parte da Igreja (Mateus 25:32). É um juizo destinado à separação entre o joio, aqueles que durante a tribulação receberam conscientemente a marca da besta e a adoraram, permanecendo vivos no final da grande tribulação, e o trigo, os servos fiéis do Eterno em todos os tempos, inclusive na tribulação (Mateus 13:24-30, Apocalipse 14:9-14).

 

O segundo juízo, após o Milênio, é final (Apocalipse 20:11-15), baseia-se no livro da vida (Apocalipse 20:12), assumindo assim um caráter essencialmente espiritual e irá requerer uma ressurreição de todas as pessoas de todas as épocas da humanidade que não fazem parte dos salvos (Apocalipse 20:13). Esta é a segunda morte relatada em Apocalipse 20:6. O Apocalipse relata que, por ocasião da volta de Jesus, ocorrerá a primeira ressurreição, que será dos salvos mortos de toda história, inclusive os mortos durante a grande tribulação.

 

Essa diferença entre as duas ressurreições separa mais uma vez a segunda vinda do juízo final e, consequentemente, o juízo das nações (após a volta de Jesus) do juízo final (após o Milênio). Note que, aqueles que participarão da primeira ressurreição (cristãos ressuscitados), reinarão com Cristo durante mil anos, separando a primeira e segunda ressurreição por esse espaço específico de tempo.

 

"...E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus, e da palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos. Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a primeira ressurreição" (Apocalipse 20:4-6). 

 

Neste texto fica bastante clara a existência de um período de mil anos entre uma ressurreição e a outra, algo que não deve ser alegorizado. É uma questão de lógica: se da primeira ressurreição participam também aqueles que serão martirizados pela besta em plena grande tribulação (período em que, de acordo com o amilenismo, satanás será solto de sua prisão milenal), e esses mesmos martirizados durante a grande tribulação participarão ativamente do Milênio (Apocalipse 20:6), consequentemente, o Milênio não pode ocorrer antes da grande tribulação! Afirmar o contrário (que o Milênio é um período anterior à grande tribulação), é forçar a cronologia bíblica.

 

Outra diferença substancial entre o julgamento que ocorrerá logo após a volta de Jesus e aquele que terá lugar após o Milênio, é o fato de que o diabo, quando é jogado no lago de fogo, após a rebelião final do milênio, já encontra no lugar tanto o anticristo quanto o falso profeta, que já tinham sido lançados antes (Apocalipse 20:10). Isso indica uma diferença de tempo entre a condenação da besta e do falso profeta e a condenação do diabo. De acordo com a revelação apocalíptica, essa diferença de tempo é de mil anos. Indica também, mais uma vez, que o Milênio ocorrerá cronológicamente após a grande tribulação.  

 

               SATANÁS AMARRADO 

 

Como conseqüência direta da volta de Jesus, satanás será amarrado por mil anos, o que não condiz com a realidade atual, na qual o mistério da iniquidade opera (II Tessalonicenses 2:7) e o espírito do anticristo está atuante desde que o mistério da redenção por Cristo foi revelado (I João 4:3). Paulo esclarece aos coríntios que Satanás é "o deus deste século" (II Coríntios 4:4).

 

O termo grego usado por Paulo é "aeón", o qual se refere ao sistema governamental e a influência social deste mundo. Na carta à Igreja em Pérgamo, João esclarece que satanás "habitava" entre as pessoas daquela cidade (Apocalipse 2:13). Ou seja, isso em nada corrobora a posição a-milenista, que insinua a prisão de satanás como uma realidade dos dias atuais. De acordo com o a-milenismo, Satanás se encontra "parcialmente" inoperante e só será solto no começo da tribulação. Tal afirmativa parece não encontrar uma sólida argumentação bíblica. 

 

A revelação apocalíptica é clara em mostrar que o objetivo da prisão do diabo é impedir que ele engane as nações (Apocalipse 20:3). O texto não diz que ele não enganará "muito" ou "tanto" as nações, mais que ele não enganará "mais" as nações por um determinado período. Diante de toda a atuação satânica descrita na Palavra e vista por nós mesmos em nossos dias, vemos que a premissa a-milenista se mostra muito frágil neste ponto. Acreditamos que essa prisão de satanás será drástica e o impossibilitará totalmente de interagir com as nações. De acordo com o texto apocalíptico, tal prisão ocorrerá como resultado direto da vinda de Jesus e não antes (Apocalipse 19:19-20, Apocalipse 20:1-6).

 

Não se trata de uma prisão em "regime semi aberto", como parece insinuar o a-milenismo, mais uma impossibilidade total de interação com os seres humanos. Em Judas 6, é descrita a prisão de anjos no abismo. O texto esclarece que há uma impossibilidade de interação entre esses anjos trancafiados e os seres humanos, ao revelar que eles estão numa prisão eterna, até o dia do juízo. Essa prisão é o abismo. Satanás, de acordo com o texto apocalíptico, será encadeado e preso no abismo por um determinado tempo (Apocalipse 20:1-3).

 

Cremos que o fato de Satanás ser amarrado por mil anos ainda acontecerá e será resultado da vinda gloriosa de Cristo (Apocalipse 19:11-21, Apocalipse 20:1-3). O diabo não será amarrado como conseqüência exclusiva da pregação do evangelho ou antes da vinda gloriosa de Jesus, e sim após um acontecimento concreto: a volta de Jesus em glória. A revelação apocalíptica nos leva a esse entendimento.

 

               PRIMEIRA RESSURREIÇÃO

 

O termo "primeira ressurreição" aparece pela única vez no texto apocalíptico e em toda a Bíblia em Apocalipse 20:5-6. Há uma dualidade de interpretação para esse termo. O pre-milenismo o entende como uma ressurreição literal, enquanto que o a-milenismo o entende como um termo simbólico, o qual estaria descrevendo o novo nascimento experimentado por todos os salvos.

 

Cremos que, neste caso, não há razões para não ser literal, até porque o uso de alegoria para o termo "primeira ressurreição" traz várias incongruências contextuais. Em primeiro lugar está o termo "mortos". Ele aparece quando é descrita a ressurreição para o juízo final em Apocalipse 20:13. De acordo com o a-milenismo tal ressurreição será literal, conceito com o qual concordamos. Porém, vemos que o a-milenismo usa aqui um duplo padrão. Os mortos de Apocalipse 20:13 são considerados mortos literais, mas os mortos que experimentam a primeira ressurreição são considerados "mortos espirituais", quando o termo utilizado em Apocalipse 20:5 e 20:13 é o mesmo!

 

Da mesma forma, está o termo "viveram". João registra que: "...E viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos. Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se completassem..." (Apocalipse 20:4-5). Note que a terminologia usada para a volta à vida na primeira ressurreição e na última é similar. A mesma expressão é usada no livro para descrever a ressurreição física de Jesus (Apocalipse 2:8).

 

O a-milenismo, ao alegorizar o "viveram" da primeira ressurreição, volta a usar um duplo padrão dentro do mesmo contexto! Ou seja, o "viveram" da primeira ressurreição seria um reviver espiritual através do novo nascimento e o reviver da ressurreição final, aí sim, seria um reviver literal... Cremos que tal interpretação é temerária. Em poucos versículos, o a-milenismo usa duas vezes um duplo padrão, ao interpretar de duas formas distintas (alegórica e literal) os termos "mortos" e "viveram/reviveram". Cremos que o literalismo em ambos os casos é a posição mais prudente, colocando a primeira ressurreição como uma ressurreição literal, a qual ocorrerá por ocasião da volta de Cristo e da qual participarão todos os salvos.

 

               OS SINAIS 

 

Tanto Jesus, quanto Paulo, nos revelam dois grandes sinais, entre outros, que antecederiam a volta gloriosa de Jesus: a apostasia ou esfriamento espiritual e a manifestação do anticristo ou abominação da desolação (II Tessalonicenses 2:3, Mateus 24:12-15). Se a volta de Jesus ocorresse depois do Milênio, como é defendido pelo pós-milenismo e o amilenismo, tanto Jesus quanto Paulo teriam mencionado esse importante sinal, muito diferentes na essência aos sinais revelados (apostasia crescente e manifestação do anticristo).  

                            

               UM REINO CONCRETO

 

Em Atos 1, momentos antes da ascenção, os discípulos perguntaram a Jesus: "...Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino ?" Jesus respondeu: "Não vos pertence saber os tempos ou as estações, que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder" (Atos 1:6-7).

 

Como Jesus instrui os discípulos a esperarem e anunciarem o reino (versículo 8), reservando ao Pai o direito de revelar quando chegaria o reino, fica subentendido que o reino de Deus será concreto e com um tempo previsto para ser implantado e não um conceito figurado. O Senhor não negou a restauração literal do Reino de Israel, apenas deixou claro que a época em que isso ocorreria está sob a soberania do Criador. 

 

               UM REINO DIVINO NA TERRA

 

Em João 18:36, Jesus diz: "...O meu reino não é deste mundo...". Essa declaração de Jesus foi dada a Pilatos, pouco antes da crucificação do Mestre. De acordo com alguns, essa declaração de Jesus descarta um reino visível e concreto sobre o planeta após sua vinda. Porém, não é isso que o texto revela. Jesus queria que Pilatos entendesse que o seu interlocutor não era rei de nenhuma nação naquele momento. Jesus não estava referindo-se ao futuro e sim ao presente, respondendo a Pilatos uma pergunta que tinha claras conotações políticas (acusar Jesus como um líder político rebelde a Roma com o objetivo de justificar sua condenação).

 

Ou seja, o reino do Pai não é deste mundo (sistema), pois não pertence ao atual sistema, que é maligno. Quando esse sistema for aniquilado na volta gloriosa de Cristo, então o reino de Cristo passará a ser deste mundo e Ele reinará sobre todos com justiça (I Coríntios 15:25, Apocalipse 19:11-21, Miquéias 4:1-4, Isaías 11:1-12, Apocalipse 20:1-6).

 

              UM REINO VISÍVEL 

 

O reino de Jesus sobre a terra será visível e abrangerá todos os povos, trazendo paz e justiça sobre as nações (Zacarias 14:9-21, Apocalipse 19:15). O amilenismo geralmente baseia-se em passagens como a contida em Lucas 17:20-21, para sustentar a concretização desse reino terrestre apenas a nível espiritual. O texto mencionado diz: "...O reino de Deus não vem com aparência exterior. Nem dirão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali; porque eis que o reino de Deus está entre vós".

 

Antes de comentar o texto acima, é preciso deixar claro que o reino de Deus tem um caráter espiritual intrínseco, como tudo o que vem do Senhor. Nós, como Igreja de Cristo, somos embaixadores desse reino, através do ministério da reconciliação, como já foi abordado (II Coríntios 5:18-21).

 

O texto de Lucas 17:20-21 parece indicar um reino exclusivamente espiritual e fruto da experiência pessoal com Deus. Contudo, ao analisar detalhadamente o texto em questão, descobrimos verdades reveladoras. A palavra grega usada no original é "entos", que é traduzida em algumas versões como "dentro de vós". Essa expressão grega é traduzida de uma melhor forma para "entre vós", referindo-se à presença do próprio Cristo no meio daquele povo. Ou seja, Cristo é a expressão mais íntima do próprio reino.

 

Quando olhamos o contexto da passagem, vemos que Cristo estava respondendo diretamente uma indagação maliciosa dos fariseus.  Não faria muito sentido afirmar que o reino de Deus estava "dentro" dos fariseus e sim que tal reino estava "entre" os fariseus. Jesus é a personificação plena do Reino. Por isso, o Reino estava "entre" os fariseus. Através da Igreja, o Reino continua estando "entre"  as nações, até o momento em que será colocado "sobre" as nações.

 

A respeito do fato do reino de Deus não vir com aparência exterior, dando uma impressão de invisibilidade, devemos esclarecer o seguinte: Jesus estava falando da sua vinda em glória (versículo 24). Quando o Mestre disse que a vinda do reino do Pai seria sem aparência exterior, não estava referindo-se a uma invisibilidade de sua vinda em glória, para arrebatar a Igreja e instaurar o seu reino, pois essa vinda será visível, como um relâmpago (Lucas 17:24, Mateus 24:30). O próprio Jesus explica porque a chegada do seu reino não será com aparência exterior: "...E dir-vos-ão: Ei-lo ali!, ou: Ei-lo aqui! Não vades, nem os sigais" (Lucas 17:23).

 

Ao revelar que seu reino viria sem "aparência exterior", Jesus estava alertando os discípulos a não serem enganados por aparências de reino. Um reino com aparência exterior de justiça, poder e divindade, porém sem essência. Esse é um aviso específico ao reino do anticristo, que, através de sinais e aparências, enganará a muitos (Mateus 24:23). (Para maiores informações, acesse o tópico OS SINAIS).

 

               TRIBULAÇÃO X REBELIÃO 

 

Existem grandes diferenças entre a tribulação que antecede a volta de Cristo (Mateus 24:21) e a rebelião satânica, denominada de Gog e Magog, a qual ocorre após o reino milenal de Cristo.

 

Não podemos confundir também Gog e anticristo, nem tampouco o Gog pós-milenal (Apocalipse 20:8) com o Gog de Ezequiel 38 e 39, que está mais relacionado ao começo da tribulação.

 

O Gog que vemos surgir no término do Milênio é uma alegoria ao primeiro Gog, pois sairá dos quatro cantos da terra (de todo o planeta), numa ação repentina de satanás, após mil anos de inatividade. Já o Gog de Ezequiel 38 e 39, é um rei que vem "do extremo norte" (Ezequiel 38:15). Também, há um detalhe importante: as armas do exército do Gog de Ezequiel serão utilizadas como combustível durante sete anos, necessidade que não condiz com a realidade pós-milenal, na qual teremos nova Terra e novos céus, sob o reinado do próprio Criador, e sim se aplica a uma necessidade tribulacional, já que a tribulação durará sete anos. Que necessidade haveria de usar essas armas como combustível num cenário pós-milenal, no qual a Nova Jerusalem descerá do céu, e a cidade não precisará de sol nem lua, tal a grandeza da glória de Deus e da presença do Cordeiro? (Apocalipse 21:23).

 

Também não se pode confundir a atuação desses dois Gog com a do anticristo, o qual não atacará Israel até a parte final da tribulação. Ou seja, as armas do exército do anticristo não poderiam ser queimadas por sete anos. Também, o anticristo não pode ser relacionado a nenhum rei do extremo norte e sim do ocidente, de acordo com as profecias de Daniel.

 

               O PROPÓSITO DAS BOAS NOVAS

 

Jesus, pouco antes de ascender, deixou para a Igreja sua principal missão no mundo: o anúncio das boas novas (Atos 1:8, Marcos 16:14-15). O avanço da Igreja através do evangelismo tem como finalidade testemunhar ao mundo o nome de Jesus (Mateus 24:14) e anunciar a todos a salvação exclusiva em Cristo (Atos 4:12).

Muitos erram ao imaginar que o atual sistema maligno será derrotado em função do crescimento da Igreja e de sua atuação evangelística, alcançando todos os níveis de poder político e social. As pessoas, através do novo nascimento, são transformadas em Cristo (João 3 1-16), porém o sistema será destruído completamente para possibilitar a instauração do reino de Jesus (Apocalipse 19 e 20). Ou seja, o propósito da pregação das boas novas não é o domínio atual no terreno político e social, através da conversão total do planeta (Mateus 25:52, João 18:36).

 

Sustentar o contrário é negar todas as profecias referentes aos últimos tempos, as quais relatam um nível cada vez maior de iniqüidade e maldade, inclusive de apostasia (II Tessalonicenses 2:3, I Timóteo 4:1-5, II Timóteo 3:1-9). O próprio Jesus nos revela esse princípio: "E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará. Mas aquele que perseverar até o fim será salvo" (Mateus 24:11-13). É necessário que o sistema seja destruído para que o reino do Altíssimo seja instaurado de forma concreta e visível na Terra e para que nós reinemos com Jesus. Existe um tempo determinado para que os santos possuam o reino (Daniel 7:22).

 

A pregação do evangelho visa anunciar o arrependimento e crença nas boas novas de salvação pessoal através de Cristo (Marcos 1:15), anunciar a supremacia do Pai sobre tudo e todos (João 12:28, João 18:36), revelar a proximidade da concretização do reino divino e a destruição do sistema satânico (João 12:31, João 16:11) e o livramento do mundo das forças do pecado (Atos 26:18, Romanos 6:1-23).

 

Através da presença e atuação de seus servos na Terra, como embaixadores, o reino do Pai já existe pela fé, porém a sua concretização só ocorrerá a partir da volta de Jesus em glória, como Rei e Senhor do mundo. O mundo, que atualmente jaz inteiramente no maligno, passará a ser dos santos por herança, sob o domínio do Altíssimo (I Coríntios 15:23-26).

 

              TESTEMUNHO PRIMITIVO

 

Há uma tendência nos escritos primitivos que nos levam à convicção de que os primeiros líderes da Igreja tinham uma concepção nitidamente pré-milenista, literalista, futurista e pós-tribulacionista. Eles, em plena tribulação, esperavam a concretização de todos os sinais e a volta do Mestre já em seus dias, para livrá-los da tribulação, derrotar o iniqüo e instaurar seu reino na Terra.

 

Quando as cartas apocalípticas começaram a ser divulgadas (a partir de 90 DC), o Milênio profetizado na revelação mostrada a João foi, entre aqueles irmãos, interpretado de forma literal. A alegorização de certas promessas bíblicas começou a ganhar corpo no seio da igreja primitiva somente a partir do século III, através dos escritos de Orígenes. Posteriormente, essa tendência foi consolidada por Agostinho. 

 

Não vemos razões para ter uma concepção diferente à de nossos primeiros irmãos. Eles tiveram contato direto com os apóstolos e/ou seus sucessores imediatos. Aquilo que foi escrito por homens como Papias, Irineu, Justino, etc, reconhecidos como lideranças, deve ser considerado com atenção. É incongruente pensar que os apóstolos, que receberam a inspiração do Espírito Santo para escrever os livros que usamos como base doutrinária, não tiveram o discernimento suficiente para interpretar aquilo que estava escrito. Pelo contrário! Os irmãos primitivos possuiam informações escatológicas que nos hoje não temos (II Tessalonicenses 2:5-6). Então, se faz necessário saber qual era a concepção primitiva a respeito do Milênio:

 

"...Ele diz que haverá um milênio depois da ressurreição dos mortos, com o reino pessoal de Jesus o qual será estabelecido nesta Terra..." (Papias 70-155 DC, citado por Eusebio, Hist. Eccl. III, 39)

 

"...E, além disso, um homem entre nós, de nome João, um dos Apóstolos de Cristo, profetizou em uma revelação que lhe foi feita, de que aqueles que confiassem em Cristo passariam mil anos em Jerusalém, e que depois viria a ressurreição universal e eterna de todos, como também o juízo final..." (Justino Mártir 110-165 DC, Diálogo com Tripo, Capítulo LXXXI)

 

"Então aparecerão os sinais da verdade: primeiro, o sinal da abertura no céu; depois, o sinal do toque da trombeta; e, em terceiro, a ressurreição dos mortos. Sim, a ressurreição, mas não de todos, conforme foi dito: "O Senhor virá e todos os santos estarão com ele”. Então o mundo assistirá o Senhor chegando sobre as nuvens do céu." (Didaquê, Capítulo XVI, 6-8).               

 

Para maiores informações a respeito do tema "Milênio", acesse o tópico COMENTÁRIO 03.  Para ver uma abordagem mais detalhada dos principais argumentos a-milenistas, clique AQUI.   

              

Em Cristo,

Jesiel Rodrigues              

 


 

Saiba que o Altíssimo está no controle de tudo e de todos. Mesmo nos momentos mais difíceis, Ele estará conosco. A nossa salvação em Cristo é eterna. Nele, somos novas criaturas. Ele já venceu a morte. Ele é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na tribulação. Se você leu este artigo e ainda não tem a certeza da salvação eterna em Jesus, faça agora mesmo um compromisso com Ele! Convide-o para entrar em seu coração e mostrar-lhe a verdade que liberta. Veja porque você precisa ser regenerado e justificado, para viver a boa, perfeita e agradável vontade eterna do Criador e estar firme Nele diante de qualquer circunstância. Clique AQUI.

 

 

 


© Copyright Projeto Ômega – Todos os direitos reservados